Montadoras voltam a investir no Brasil

Apesar de o setor automotivo ainda dar sinais fracos de recuperação, as montadoras começam a tirar do papel um novo ciclo de investimentos. Volvo, Renault, General Motors e Volkswagen anunciaram que vão investir bilhões de reais para modernizar suas fábricas e lançar novas linhas de produtos no mercado. Os aportes das quatro montadoras para este e o próximo ano, se somados, chegam a R$ 8,85 bilhões. Tudo para não ficar parado no tempo em um setor que, mesmo em crise, demanda investimentos constantes em tecnologia.

A indústria automotiva no Brasil vive uma das piores crises do setor. No ano passado, as vendas de veículos novos recuaram ao menor patamar desde 2012, quando a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) começou a divulgar dados detalhados do setor. A ociosidade das fábricas chegou a atingir 52% em 2016 e milhares de trabalhadores foram dispensados ou afastados do trabalho, nos chamados layoff.

Para este ano, o cenário não será muito diferente. As vendas de veículos novos, o que inclui carros, caminhões e ônibus nacionais e importados, de janeiro a julho deste ano, está apenas 3,4% acima na comparação com o mesmo período do ano passado. O resultado, porém, é puxado pelo aumento da venda para frotistas. Já em relação ao ano de 2012, por exemplo, as vendas de janeiro a julho deste ano estão 42,12% abaixo.

Só que as montadoras não podem esperar uma retomada da economia para voltar a investir. Elas precisam, normalmente em ciclos de três a cinco anos, investir em tecnologia para trazer ao mercado veículos mais modernos. É uma demanda do próprio setor e do consumidor para acompanhar as tendências mundiais.

E é isso o que estamos presenciando neste ano, quando quatro das principais montadoras anunciaram aportes bilionários para as suas fábricas no Brasil no curto prazo. “Não estamos falando em investimentos para aumentar a capacidade de produção. Já temos uma capacidade instalada muito maior que a demanda atual. São investimentos qualitativos”, afirma o sócio da KPMG e especialista no setor automotivo, Ricardo Bacellar.

“São investimentos absolutamente necessários para manter um nível de produção qualificada. Se você não trouxer produtos inovadores, você fica em uma posição indelicada no mercado. Então você precisa fazer esses investimentos para manter a indústria automotiva em um patamar qualificado”, completa o especialista.

O CEO da consultoria DOM Strategy Partners, Daniel Domeneghetti, acrescenta que “não dá para as montadoras deixarem de investir no Brasil”, pois é um mercado que elas estão inseridas há anos e que apostaram alto na construção de fábricas para atender tanto o mercado interno quanto para exportar para a América Latina. “Os investimentos vêm para o equacionamento de estoque, retomada de produção, finalização das fábricas que pararam várias obras, investimento em tecnologia e validação de novos canais de venda”, explica o consultor.

Pacote de investimentos do setor automotivo

A General Motors (GM), dona da marca Chevrolet, será a montadora que fará o maior investimento no país no curto prazo. A empresa vai investir R$ 4,5 bilhões nas suas três fábricas no Brasil, o maior valor já anunciado dentro dos seus 92 anos de atuação no país. A montadora vai aportar R$ 1,4 bilhão no Complexo Industrial de Gravataí, no Rio Grande do Sul, R$ 1,2 bilhão na unidade de São Caetano do Sul, no estado de São Paulo, e R$ 1,9 bilhão na fábrica de Joinville, em Santa Catarina.

O dinheiro será utilizado para modernizar as fábricas e para desenvolver novos produtos. A companhia quer ampliar a linha de produtos da Chevrolet e trazer ao mercado veículos mais conectados, seguros e eficientes energeticamente. Com isso, a empresa espera tanto ampliar a sua competitividade no mercado interno quanto se preparar para exportar os produtos daqui para várias partes do mundo.

Logo depois da GM vem a Volkswagen. A montadora vai investir R$ 2,6 bilhões na sua fábrica em Anchieta, no estado de São Paulo, para preparar a unidade para a produção do Novo Polo, que será lançado no último trimestre de 2017, e do sedã Virtus, programado para o primeiro trimestre de 2018. Ambos os veículos serão produzidos a partir do novo sistema de produção da Volks, o MQB.

A modernização da fábrica Anchieta será feita, segundo a Volks, a partir dos conceitos da Indústria 4.0. Isso quer dizer que a empresa reformará a sua planta para adotar mais tecnologia e automação na produção dos veículos. O objetivo é aumentar a produtividade da fábrica – que opera atualmente em um só turno – ao torná-la mais rápida, enxuta e eficiente.

É esperado, ainda, que a empresa anuncie investimentos para a sua fábrica em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). A companhia deve começar a produzir na planta paranaense o novo SUV T-Roc e uma picape de porte intermediário para concorrer com a Toro, da Fiat. A unidade pode, ainda, absorver a produção do Audi Q2. As informações, porém, ainda não são confirmadas pela empresa.

E, dentro do pacote de investimentos do setor automotivo, a Renault é uma das poucas que vai aumentar a capacidade instalada. A empresa vai construir no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais, a Curitiba Injeção de Alumínio (CIA), com investimentos de R$ 350 milhões. A fábrica, que deve começar a operar em 2018, vai produzir duas linhas de injeção: uma de alta pressão e outra de baixa pressão. Será a quarta planta industrial do Complexo.

Além da nova fábrica, a Renault vai ampliar a fábrica motores, que também fica no Complexo Ayrton Senna. O local passará a abrigar novas linhas de usinagem de blocos e cabeçotes em alumínio e virabrequim em aço, utilizados nos motores 1.6 SCe. As obras custarão R$ 400 milhões.

A montadora atribui o investimento total de R$ 750 milhões ao sucesso dos motores 1.0 SCe e 1.6 SCe, lançados no fim de 2016, e ao aumento das exportações. Em 2016, a empresa exportou 35% de toda a sua produção feita no Paraná. Já no primeiro semestre deste ano, as exportações cresceram ainda mais e acumularam alta de 60% em relação ao mesmo período do ano passado. O aporte conta, ainda, com um empurrão do poder público, pois o investimento será subsidiado pela segunda fase do programa Paraná Competitivo.

Já a Volvo, que inaugurou o pacote de investimentos do setor automotivo, anunciou em fevereiro que vai investir R$ 1 bilhão na América Latina nos próximos três anos (2017-2019). A maior parte (cerca de 90% do total) será aplicada no Brasil, na fábrica da Cidade Industrial de Curitiba (CIC), que produz caminhões, chassis de ônibus e motores. O valor será usado para em novas instalações e no desenvolvimento de novos produtos e em células de testes de motores.

 

Fonte: Gazeta do Povo